• Thyrso Guilarducci

Mestres em Comando

9 - Atitudes Eficazes



As eficácia da Segurança no Trânsito está condicionada à uma série de providências que quando adotadas reduzem sensivelmente a possibilidade de um evento indesejado. As palavras prevenção ou preventiva são massificadas em qualquer tipo de treinamento para uma direção segura, quer seja nos cursos oficiais ou nos particulares, incluindo os ambientes das empresas.


Não é por acaso que isso acontece. De fato a prevenção é a mais robusta atitude na direção de um veículo, principalmente um pesado como ônibus, caminhões ou carretas que por serem literalmente pesados, não param nas mesmas distâncias de um automóvel, salvo alguns caminhões e ônibus de última geração com sistema de freios avançados, porém são ainda incipientes se comparados ao restante da frota em circulação no país.


Diante dessas circunstâncias o mais correto é agir com extrema prudência e evitando cometer falhas que possam significar motivos de um acidente, infração de trânsito ou ainda transtornos sociais.



Essas sete atitudes foram identificadas pelo FMCSA (Organismo Federal da Segurança no Transporte nos Estados Unidos) como evidências das causas de acidentes com caminhões nas rodovias americanas.


O primeiro deles é o de não manter distância de segurança do veículo à frente. Já comentei sobre isso em diversos posts. Esse mau hábito fazia e ainda faz parte da cultura dos motoristas transcendendo anos após anos e ocasionando sérios acidentes com mortes e feridos graves. O fenômeno tem o nome de tailgating que numa tradução livre do inglês seria "pegar o rabo" numa alusão que de tão perto um veículo do outro que daria para "pegar a traseira".


A fiscalização americana apertou o cerco e autuou muitos infratores e como esse tipo de colisão pode ocasionar fatalidades, muitas empresas de transportes e mesmo autônomos instalaram câmeras que registram o trânsito à frente e atrás do veículo para eventual demanda jurídica por acidente. Essas câmeras chamadas de dash cam também são úteis para coibir fraudes contra as seguradoras por falsa informação de acidentes por terceiros.


O segundo item está ligado com a velocidade em excesso ou inadequada. Já comentei que os veículos pesados tendem a tombar com mais facilidade. Mesmo dentro do limite da velocidade da via, podem tombar dependendo da carga, da inclinação da pista e o raio da curva associada com a velocidade.


Em seguida a agressividade. Motoristas explosivos que ameaçam aos demais e aos pedestres.


Na sequência, aqueles que desrespeitam as normas de segurança, tanto legal como previstas pelos fabricantes dos veículos.


Perfaz ainda a lista motoristas que fazem ultrapassagens arriscadas e fecham o veículo que foi ultrapassado em manobras de riscos.


Em penúltimo quem trafega pela pista da esquerda em baixa velocidade forçando os demais a ultrapassar pela direita em alta velocidade.


Por último na lista, os motoristas que serpenteiam seus veículos de uma faixa para outra desmedidamente e sem motivos justificados.



Na imagem acima o texto é taxativo. Um motorista deve estar compenetrado na direção. Não deve desviar sua concentração em problemas pessoais. É comum uma pessoa ao volante totalmente desligada, tanto que vê mas não enxerga. Isso pode levar a uma situação de acidente. A cognição necessária exige foco. Por isso não se deve usar celulares ou outras distrações, mesmo aquele "papo" de cabine com passageiros.


Outros riscos associados com o estado emocional também podem levar a um acidente.

Veja a imagem a seguir:




Todos esses fatores são graves para conciliar com a direção.


Se reconhecer um ou mais desses sintomas, antes de dirigir informe a empresa caso seja empregado ou reveja o compromisso no caso de ser o dono do veículo.

Somente assuma o volante após entender-se seguro.


Estresse.


Outro sintoma grave que "rouba" a capacidade de uma direção segura é o estresse. Sintoma que de alguns anos para cá deixou de ser típico de empresários e poucos profissionais sob pressão para ampliar-se como uma pandemia na sociedade, principalmente com o crescimento da internet que transformou o mundo de cadenciado para online.


Diversas são as causas que levam uma pessoa ao estresse. Igualmente aos sintomas acima, o estresse deve ser observado como potencial de riscos. As mesmas recomendações devem ser orientadas. Não subestime os efeitos do estresse quando forem intensos.




Dicas que ajudam a reduzir o estresse


Mesmo diante de tantas dificuldades que existem no trabalho, no ambiente, na família, economia e na vida de modo geral e principalmente nesta época com a pandemia da Covid 19 que agravou ainda mais a rotina das pessoas, é importante adotar medidas que atenuem os efeitos dessa carga indesejada que é o estresse.


Ainda seguindo as dicas das escolas americanas de ensino para motoristas profissionais, nove atitudes são energéticas e efetivas contra o estresse.

Veja no quadro abaixo e tente se situar no seu contexto de realidade, sem fantasias ou exageros, o que pode ser feito.




Vamos detalhar cada um deles:


Cultivar o tempo livre e fazer das férias uma obra de paz


Mais uma vez reflito que essa frase é fácil de falar mas complicada para se tornar uma ação na realidade. Principalmente na pandemia, viajar tornou-se uma possibilidade muito remota e restrita. Em tempos normais, seria o ideal uma viagem desde uma pequena distância a alguma cidade ou povoado ou visitar um parente distante numa longa viagem, conhecer novos lugares, registrar fotografias e alimentar o espírito com culturas diferentes. Isso renova muito o ânimo.


O que muitas pessoas fazem por motivos econômicos é aproveitar os dias para reformar uma casa, encher uma laje de concreto, concluir a obra do puxadinho ou da própria futura morada. As limitações financeiras roubam o tempo e oportunidade para o lazer.


Em última análise, não permitir que as férias sejam totalmente dedicadas às obras e reformas. Mesmo que seja apanhar uma bike ou mesmo a pé, só ou com a família, usufruir de um bom parque, desligando das pressões e aproveitando para se exercitar.

Planejar cada viagem. Dar-se um tempo para alimentação, repouso, reabastecimento do veículo, pesquisar cuidadosamente a rota etc.


Essas precauções evitam aborrecimentos causados pelos imprevistos e improvisações.

Tomemos por exemplo uma viagem de carreta partindo de São Borja para Novo Hamburgo, no RS. Trata-se de uma distância de 580 km. Nesse caso analisar qual das rodovias são mais apropriadas, por exemplo via Santa Maria ou por Santo Ângelo?

Se optar pela segunda opção a viagem terá 20 km a mais, porém poderia ser menos congestionada e mais segura. Em qual das duas existe melhor local para a parada de descanso e reabastecimento? Analisar todos esses fatores torna a viagem mais tranquila e menos estressante. Parece coisa banal, simples? Pois muita gente não faz isso e arrumam aborrecimentos desnecessários.


Atualmente os aplicativos na internet fornecem essas opções "gratuitamente" e têm a vantagem de estarem atualizados on line o que evita desatualizações como de mapas no papel ou mesmo eletrônicos off line Além disso, existem políticas próprias de rastreamento e roteirizações por empresas que já estudam os riscos para viagens por exemplo a alguma transportadora.


Equilibre a vida profissional e pessoal


Assim como as férias, saber dosar trabalho e descanso é indispensável para recompor a energia física e espiritual, o dia a dia também requer um balanceamento da dedicação entre o trabalho e a questões pessoais que envolvem descanso, lazer, alimentação, família, educação etc. Isso é tão importante que se tornou há muitos anos um direito legal regido pela CLT desde 1943.


O próprio trabalho, em qualquer profissão, tende a ser mais produtivo e com menos margem de erros quando se ajusta ao período entre as jornadas de trabalho e descanso. Os trabalhadores que abusam das horas extras, além de serem ilegais após o máximo dos acordos trabalhistas, provocam estresses e desgastes mentais que afetarão o raciocínio e a saúde. Se isso ocorre constantemente é hora de rever os padrões e tentar uma solução harmoniosa para realinhar a carga horária.


Seja criterioso com a alimentação


A alimentação é fundamental para uma vida saudável. Sobre as refeições ideais, balanceadas e nutritivas assim como os intervalos entre elas são amplamente comentadas por nutricionistas e especialistas em número muito grande nos canais do YouTube, nas pesquisas pelo Google e até nos portais de educação alimentar dos principais convênios médicos e do Poder Público ligados à saúde e Nutrição.


Eu não vou aqui indicar ou desaprovar nenhum tipo de alimento ou sequer como se obter uma dieta saudável porque isso geraria polêmica numa área que efetivamente não possuo conhecimento.


Basicamente o que é muito comum saber é que alimentos pesados e gordurosos são inapropriados para os motoristas. Uma refeição desse tipo num dia de calor e sair do restaurante e dirigir um caminhão numa estrada logo em seguida certamente provocará sonolência e fadiga. Não são poucos os acidentes em horário pós almoço por condutores que caíram no cochilo dirigindo.


Cada um decide sua dieta e para que eu não seja omisso na proposta de apresentar atitudes e ações visando a Segurança no Trânsito, indico o Guia Alimentar para a População Brasileira publicado pelo Ministério da Saúde e que está disponível no endereço abaixo.


https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf


Repouso com Qualidade


O repouso é fundamental. Todo ser humano necessita de horas de sono que variam de 6 a 8 conforme o perfil e características individuais. Somente dormindo esse tempo, à noite ou de dia, o corpo se refaz do cansaço físico e mental. Nenhum energético, comprimido, bebida ou artificialismos substituem o sono genuíno. Nem pensar no uso de substâncias psicoativas como anfetaminas (rebite) porque além de ilegal e constituir crime de trânsito, não é eficaz em manter ninguém lúcido e despertado podendo levar subitamente ao sono (ou a morte por ataque cardíaco).


Eu acompanhei um caso verídico com motorista que não dormiu o dia todo e à noite dirigiu uma carreta. No percurso ele caiu em sono dirigindo e colidiu contra um barranco vindo a falecer no local do acidente. Esse fato relatei num post que pode ser visto no endereço abaixo.


https://www.safethy.com.br/post/o-temperamento-no-modo-de-ser-parte-iv


Se o sono não está sendo reparador, o motorista deve procurar auxílio médico ou psicológico para evitar um grave acidente. Respeitar as horas de sono e intervalos para descanso durante uma viagem.


Fazer exercícios regularmente


Caminhada, bicicleta, esteira, corrida, academia, seja qual for a escolha, o motorista deve se exercitar pelo menos 30 minutos diariamente. Normalmente os médicos recomendam uma caminhada de pelo menos 5 km no horário em que for mais conveniente para cada pessoa. Isso por si é um excelente exercício.


Passar horas na cabine de um caminhão ou ônibus ou mesmo num veículo pequeno é cansativo, causa problemas de postura e sonolência. Nada melhor do que o exercício.


Combinando com alimentação e hidratação balanceadas, o exercício com certeza trará mais disposição física e mental.


Cortar açúcares e cafeínas em excesso


Comprovadamente o uso desses dois ingredientes em excesso causam problemas de saúde. Açúcar pela obesidade e taxas glicêmicas elevadas que podem causar diabetes e a cafeína no sistema gástrico, urinário e neurológico. É ideal moderar o consumo de ambos, lembrando que refrigerantes tipo cola e guaranás possuem cafeínas e açúcares além de gases que provocam distúrbios gástricos.


Fazer opções por sucos naturais sem açúcar, água de coco natural e a água in natura são ótimos substitutos. Se preferir, conversar ou pesquisar sobre nutrição. Já deixei um link de sugestão acima.


Faça intervalos na viagem parando em locais seguros


Esse é um detalhe muito importante. Uma parada de meia hora para refazer a disposição, tomar uma água ou suco, um lanche leve, uma rápida caminhada ajudam muito um motorista a refazer sua energia física e mental.


Como atualmente os riscos de assaltos e crimes contra os motoristas são uma constante ameaça, convém que o motorista siga as regras definidas pela empresa a qual se dedica, como empregado ou agregado ou ainda avulso.


Deixe os motoristas agressivos passarem


Motorista cuidadoso e consciente não entra no jogo das provocações. Se alguém se aproximar de forma ameaçadora, o melhor é deixar que ele siga em frente. Ceder a passagem e não corresponder de forma alguma às provocações. Se for o caso, reduzir a marcha dando distância ao mesmo. Isso fará voltar a paz para manter o foco na direção.






Concluo esse post convicto de que o tema possui relevantes precauções para a Segurança no Trânsito.


Muito obrigado pela leitura


Thyrso Guilarducci




7 views0 comments

Recent Posts

See All